30 de janeiro de 2013

Sobre medo da morte

Nunca tive medo de morrer, sempre achei que quando a morte viesse, eu a acolheria como a um velho amigo. Hoje eu tenho. Não pela minha vida, pessoalmente falando, mas pelas coisas que eu poderia perder se eu não estivesse mais aqui com o Victor...

Dia 27 de Outubro, tivemos no ambiente da minha casa, uma data muito especial, aniversário do bebê mais lindo da blogsfera, mas para muitas outras famílias, foi dia de tragédia e morte. No Rio Grande do Sul, uma boate pegou fogo e simplesmente 236 pessoas faleceram por não conseguir sair a tempo.

Passei o dia todo vendo em todos os canais, alguns sensacionalistas (ê Brasil pra gostar de explorar a desgraça alheia), notícias sobre o acontecimento, e ao final de tudo não pude deixar de pensar: "Meu Deus, poderia ter sido eu!"

Percebem a gratuidade da coisa? Quer dizer, eu resolvo sair no sábado, marco com os amigos, passo dias escolhendo a roupa ideal, maquiagem, cabelo (mulher faz isso, gente, por mais simples que seja a festa).... Deixo o Vic com a minha mãe (porque um dia isso vai acontecer, i´m young, e um dia vou pra balada e não posso levar o Vic enganchado rsrs) e quando chego na festa, acontece uma coisa dessas.

E as coisas que vou perder? O primeiro dentinho, as primeiras palavras e os passos meio trôpegos, os desenhos da escola, a primeira namoradinha, não vou saber quais hobbies ele terá, não saberei se o pouco que eu consegui ensinar ele absorveu, a faculdade, que profissão ele vai escolher?


Refleti muito mesmo sobre isso, e gente, descobri que hoje eu tenho um medo terrível da morte.


Sobre o acidente na boate, as pessoas que estavam na festa nunca poderiam imaginar que não voltariam mais desse passeio, poderia ter sido na igreja, na rua atingidos por um meteoro, sei la! Não existe meio de evitar a nossa hora, então não podemos nos privar de sair, por medo (antes que pensem: "Oh, a Ludmila tá doida, vai se trancar em casa com medo da morte" Não MEEEESMOOOO kkkk Carnaval ta aí, e já estou customizando o meu abadá)

Mas encerro esse post, externando o meu desejo a meu Deus:

"Pai, agradeço todos os dias que me deu ao lado do meu filho, e que o Senhor possa me dar uma vida toda de alegrias ao lado dele. Amém"


2 comentários:

  1. Muito triste essa trajédia,pior do que pensar que poderia ser com agente,é pensar que um dia nossos filhos irão crescer e vão querer frequentar baladas,enquanto ficaremos aflitas em casa,o que nos resta é apenas pedir a deus que nos dê livramento.

    ResponderExcluir
  2. também tenho medo da morte, más meu medo maior, é ver meu filho morrer antes de mim, não da pra imaginar, tamanha dor.

    ResponderExcluir

Oba! Adoro quando você comenta!