21 de outubro de 2015

A visita do pai do Victor

Um bom pai à casa torna, tão logo as conversas sobre perdão e recomeço acabaram, tratamos de refazer o relacionamento dos dois funcionar.

E por incrível que pareça fluiu bem a aceitação, pensei que o Victor seria resistente ante a idéia de "outro pai" mas não. No fim das contas o sangue falou mais alto, e minhas preocupações foram descartadas.

Nunca vi meu filho tão feliz na companhia de alguém, ele ria, gargalhava, semblante feliz demais. Também pudera, em um dia só ele subiu em arvores, fez castelinhos de areia, entrou numa "casa mal assombrada" brincou até não poder mais com o kit de ferramentas que o pai dele trouxe. Nossa! Que bom!

As fotos:

Brincaram

Posaram para fotos

Indo para a casa mal assombrada

Não se pode contar nenhum segredo 
perto dessa árvore o.O


Vic fez Parkour (ai Jesus, me salva haha)

Trocaram idéias

Alisando a careca (urgh) do pai rsrs

Na praia

Arremessando bolas de areia

Ele estando feliz, eu também estou.

Deus, que todo o mau que chegar até a minha vida, seja repreendido em nome de seu filho Jesus. Amém.

O perdão

Crianças, se tem uma coisa que quero ensinar a vocês, de tudo que já falei aqui, é sobre o bem que um simples gesto de perdoar alguém pode causar na sua vida.

É certo que perdoar não é fácil e pode levar anos até que você consiga tirar o rancor de dentro do seu coração, mas acreditem, é possível.

O pai do Victor, depois de dois anos de mágoas, onde um atingiu o outro com balas de canhão em chamas, teve o seu momento de arrependimento e veio nos procurar para tentar se reaproximar dele. Foi onde parei pra pensar em tudo que aconteceu desde o dia que ele virou as costas pra nós. De lá pra cá o único afetado por esse distanciamento, foi somente o meu filho, conseguem entender? Com meu orgulho, rancor, privei meu filho de conviver com o pai de verdade.

Claro que com isso não estou querendo ensinar que devemos ser trouxas. Deixar as pessoas fazerem o que quiserem conosco e perdoar sempre. Aliás desconfio que onde tudo é aceito não há amor, há dependência.
E também não estou escrevendo esse texto pra justificar nada, fazer a mãe solteira abandonada, mesmo porque eu também não fui flor que se cheirasse, fiz muita gente chorar, literalmente levei ele ao fundo do poço, fui mesquinha. 
Digo que nunca proibi ele de ver o filho mas essas atitudes nao eram nada convidativas.

E aí respondi o email aceitando o pedido de desculpas dele e aproveitando a deixa me desculpei com ele e com a familia dele também. Gracas a Deus perdoaram, com um pé atras, mas perdoaram e isso pra mim ja é mais que o suficiente por enquanto.

Sabe, ultimamente, e atribuo isso à minha recente aproximação de Cristo, tenho estado em paz, cheia de alegria, e esperança num futuro melhor pra todos nós, e creio que Deus está por trás de tudo isso, afastou a pessoa que fez tanto mal a mim e ao meu filho, e trouxe de volta o pai amoroso que o Victor tanto merece.

Sei que as bênçãos nao pararam por aí. Vejo e sinto as coisas todas melhorando ao meu redor, tudo porque usei o ensinamento de Jesus Cristo, perdoar e amar o próximo.

Pra não soar hipócrita, digo que ainda não pude perdoar completamente o pai da Laura.

Mas oro sempre para que Deus tire de mim todos os sentimentos venenosos e sei que um dia hei de ser atendida! Espero que ele se dê bem e que nunca mais tenhamos brigas, que ele seja feliz.


Beijos 

6 de outubro de 2015

Fantasia

-Victor, onde está a meia da Laura!
- No alto da torre mais alta, guardada por um terrível dragão


Por Deus que ele fala essas coisas, tem horas que eu nem acredito, mas é vdd!